HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
31 jan 2024 - 15:30
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Alexandre Silveira assina Plano de Trabalho para a Aceleração da Transição Energética no Brasil com a Agência Internacional de Energia

O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, assinou nesta quarta-feira (31/1) o Plano de Trabalho para a Aceleração da Transição Energética no Brasil com a Agência Internacional de Energia (IEA). O evento, realizado em Brasília, contou com a presença do diretor-executivo da Agência, Fatih Birol. O dirigente da entidade ressaltou a liderança e a colaboração brasileira para a transição energética mundial e destacou as oportunidades para o país com a presidência do G20.


Alexandre Silveira afirmou que o comando do Brasil no G20, incluindo a trilha de energia das 20 maiores economias do planeta, dará ao país a oportunidade de liderar as demais nações com o objetivo de avançar em uma transição energética equilibrada, incluindo as pessoas e ajudando na paz mundial. Segundo o ministro, é o momento do Brasil construir pontes e reforçar as grandes parcerias nacionais e internacionais.


“A Agência Internacional de Energia reconhece o protagonismo brasileiro na transição energética. Com o esforço do nosso povo e as riquezas naturais de nosso país, já somos exemplo de como uma matriz energética diversificada, limpa e renovável pode ser construída com sucesso. Agora, na presidência do G20, daremos prioridade ao debate sobre os caminhos para acelerar essa transição energética justa, acessível e inclusiva e, se possível, obrigatória”, afirmou o ministro de Minas e Energia.


O plano orientará a cooperação e as atividades bilaterais entre a AIE e o Brasil no período 2024-2025, fortalecendo o apoio à presidência brasileira da COP30, em 2025. Ele descreve as áreas prioritárias para cooperação na área da transição energética justa e inclusiva, bem como propõe atividades incluindo workshops virtuais e presenciais, diálogos técnicos, consultas, relatórios, sessões de formação e capacitação, entre outros.


“Nosso objetivo é gerar novas oportunidades para as pessoas e monetizar as iniciativas que contribuam para tornar a matriz energética do planeta mais limpa. As políticas públicas que estamos incrementando para acelerar a transição energética serão a mola propulsora da nova economia verde global”, explicou Silveira, ressaltando o trabalho do MME também para a descarbonização do setor de transportes.


“Vamos acelerar os mercados regionais e globais para os "combustíveis do futuro" (hidrogênio e biocombustíveis), com foco na descarbonização da indústria, dos transportes e da mobilidade urbana. Nós lançamos no ano passado a mais inovadora e funcional política de valoração econômica dos biocombustíveis. Teremos SAF, diesel verde, etanol de segunda geração”, afirmou.


O ministro ainda ressaltou os dois vetores principais vetores da transição energética: a sustentabilidade, que engloba o combate aos efeitos climáticos e a salvaguarda do planeta; e o desenvolvimento econômico com frutos sociais, que trata da cadeia da nova economia, que é a economia verde.


 “Não haverá salvação fora da nova economia sustentável, economia verde. Somente a monetização da indústria verde pelos países industrializados vai inserir os países em desenvolvimento na geração de mais emprego, renda, e assim, fazer acontecer essa transição energética justa e inclusiva que tanto defendemos”, afirmou.


Por fim, Alexandre Silveira também declarou que o Brasil também vai cooperar com os outros países, principalmente do Sul Global, no combate à pobreza energética.


 “Com a nossa experiência, podemos ajudar as demais nações, para além da questão da transição energética, no combate à pobreza energética, se espelhando no nosso Luz para Todos. Estamos junto com a nossa EPE – Empresa de Pesquisa Energética –  colaborando com países que ainda enfrentam números preocupantes de famílias sem energia”, finalizou.


 


Protagonismo


 O diretor-executivo da IEA, Fatih Birol, afirmou que o Brasil está entrando em um período sem precedentes da história econômica e política nos próximos dois anos. Além da presidência do G20, o país será sede da COP 30, em 2025. O diretor da entidade ainda convidou o ministro Alexandre Silveira para ser o co-líder de Comissão Global dedicada à equidade e à inclusão social como parte da transição energética.


 “O tempo do Brasil chegou. O governo brasileiro está muito claro com o que está acontecendo. O Brasil tem que liderar os países emergentes na questão das energias renováveis. A transmissão de energia limpa no mundo não está acontecendo, mas o Brasil tem músculos e lideranças para conduzir um desenvolvimento justo e inclusivo. No G20, espero que o Brasil crie muitos mercados para isso. Temos muitos setores para descarbonizar, como o aéreo e o marítimo. O Brasil tem potencial também de minerais críticos, como o lítio e o cobalto, por exemplo”, afirmou Fatih Birol.


 Antes da assinatura do Plano, o ministro Alexandre Silveira e o presidente da IEA se reuniram com presidentes e diretores das principais empresas de energia e combustíveis do país, onde foram destacados os potenciais e as políticas públicas realizadas pelo governo para atrair novos investimentos para o Brasil.


 “Uma das mensagens que quero passar é em relação ao momento do Brasil, ao retornar ao palco internacional de forma muito forte. Isso será importante para os investidores no país, que tem um grande potencial energético. Vamos apoiar este ministério e o governo brasileiro para garantir que os objetivos sejam alcançados de forma muito rápida”, disse o presidente da IEA.


 


Fonte: Ministério de Minas e Energia

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
16 abr 2024

Previsibilidade e segurança jurídica: APROBIO destaca importância do PL Combustível do Futuro em audiência no Senado

+
SAIBA MAIS
16 abr 2024

Planeta bate novo recorde de calor e especialistas explicam preocupação

+
SAIBA MAIS
16 abr 2024

Aquecimento global vai parar na Justiça: crescem casos de litigância climática contra desmatadores

+
SAIBA MAIS
16 abr 2024

Deputado diz que Petrobras tenta “pegar carona” no Combustível do Futuro

+
SAIBA MAIS
15 abr 2024

Combustível do Futuro terá investimentos de R$ 200 bi, diz Alceu Moreira

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO