HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
PRETENDENTES
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
CONTATO
NOTÍCIA
12 dez 2018 - 10:29
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

País terá peso maior no mercado global

Com todas as projeções apontando para uma nova colheita recorde de soja, uma expressiva recuperação da produção de milho e mais um forte avanço da oferta de algodão, o Brasil tende a manter e até aumentar, nesta safra 2018/19, seu protagonismo no mercado mundial das três commodities.

Levantamento divulgado também ontem pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) confirmou que, no que tange à soja, a liderança brasileira nos embarques globais tende a ser mantida. Segundo o órgão americano, que projetou a colheita do Brasil em 122 milhões de toneladas na safra 2018/19 - acima do volume previsto pela Conab -, os embarques do país deverão alcançar a marca recorde de 81 milhões de toneladas, 6,3% mais que no ciclo 2017/18.



A sucessão de recordes é diretamente influenciada pelas disputas comerciais entre EUA e China, que mantêm mais fraca a demanda do país asiático pelo grão americano. Para os EUA, que lideram a colheita mundial (125,2 milhões de toneladas em 2018/19), o USDA projetou as exportações de soja em grão em 51,2 milhões de toneladas, 10,9% a menos que no ciclo passado.

No caso do milho, a recuperação da produção brasileira poderá gerar exportações de 29 milhões de toneladas na safra 2018/19, 23,4% mais que em 2017/18, quando a colheita do país foi prejudicada por adversidades climáticas. Se confirmado esse volume, o Brasil voltará a ocupar a segunda posição entre os maiores exportadores, atrás apenas dos EUA, que deverão produzir 371,5 milhões de toneladas e exportar 62,2 milhões.

Se para soja e milho a expectativa é de manutenção do peso do Brasil no tabuleiro mundial, no caso do algodão o cenário aponta para um protagonismo poucas vezes visto. Segundo o USDA, a partir de uma colheita recorde de 2,4 milhões de toneladas as exportações brasileiras poderão atingir 1,3 milhão de toneladas.

Se confirmado esse volume, também o maior da história, o Brasil também ficará atrás apenas dos EUA nas exportações de algodão, que também têm como maior cliente no exterior a China. Conforme o USDA, os embarques americanos deverão chegar a quase 3,3 milhões de toneladas.

Fonte: Valor
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
31 jul 2020

Alta do óleo de soja não prejudica biodiesel

+
SAIBA MAIS
30 jul 2020

Indústria abre ofensiva contra revisão nas metas do RenovaBio

+
SAIBA MAIS
28 jul 2020

Mercado para biocombustíveis avançados, com Erasmo Battistella

+
SAIBA MAIS
27 jul 2020

Manifesto em defesa do RenovaBio é encaminhado ao MME, afirma Unica

+
SAIBA MAIS
24 jul 2020

Europa sai na frente na recuperação 'verde'

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-911 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO