HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
04 mar 2024 - 14:28
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Agenda climática também é do BC e narrativa do Brasil no tema melhorou, diz Campos Neto

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, avalia que a agenda climática também é dos Bancos Centrais de todo o mundo, já que a política de juros é muito afetada pelos eventos climáticos que distorcem os preços da economia.


Em entrevista à Folha, Campos Neto reconheceu que a "narrativa" do Brasil para a agenda verde melhorou.


"Os investidores e as pessoas entenderam que há uma preocupação [no Brasil], que tem projetos, qual o sequenciamento deles e para onde está indo em termos de medidas de sustentabilidade", afirma o presidente do BC.


Para ele, o Brasil tem uma vantagem e deveria ser visto como um grande produtor de bens que utilizam energia sustentável.


"Nessa rearrumação de cadeias produtivas, como estamos vendo no mundo, o Brasil é um sério candidato para atrair muito investimento de produtos que são produzidos por energia sustentável. Poucos países têm as condições que o Brasil tem de energia sustentável."


Segundo Campos Neto, os BCs mundiais tinham dificuldade de correlacionar a agenda verde com seus mandatos. Mas passaram a entender que se trata de uma pauta das autoridades monetárias.


"Agora, está muito claro que, se tivermos problemas climáticos em sequência isso também afeta a política monetária, porque tem distorção de preços, afeta logística e energia. Afeta os juros e, em última instância, afeta a estabilidade financeira", afirma.


Durante o governo de Jair Bolsonaro (2019-2022), Campos Neto era considerado voz destoante na área ambiental por defender que o país avançasse na discussão de uma agenda ecológica.


Ao ser questionado se essa falta de engajamento teria feito o Brasil perder investimentos para transição verde, ele disse que o tema da sustentabilidade vem se desenvolvendo gradativamente, em ondas.


"Teve uma onda que era uma grande preocupação de produzir energia verde. O Brasil fez muitos projetos e tem hoje uma matriz bastante verde. Na segunda onda, veio a produção de alimentos. Precisávamos produzir alimentos de forma sustentável e o Brasil avançou muito nisso", diz.


A terceira e mais recente, na avaliação do presidente do BC, chegou com consumidores, empresas e investidores começando a se preocupar sobre o tema.


"Eles só queriam investir em países que tinham uma preocupação com a sustentabilidade. Nesse terceiro movimento, foi o que eu chamei atenção no passado, a gente precisava ter uma mensagem melhor. Tinha uma narrativa que era entendida lá fora de tal forma que [o Brasil] não fosse preocupado com a sustentabilidade. Alertei naquele momento que essa narrativa poderia custar investimentos", lembra ele.


Em junho de 2020, um grupo de 29 gestoras de capital de países como Reino Unido, Suécia, Noruega, Holanda e Japão enviou uma carta aberta a diferentes embaixadas do Brasil no exterior expondo preocupação com o desmatamento acelerado na Amazônia.


A manifestação desses fundos de investimento e de pensão, que juntos administravam cerca de US$ 4,1 trilhões (R$ 21,6 trilhões), preocupou então o Palácio do Planalto, que passou a temer uma fuga de investimentos com a deterioração da imagem internacional do país.


"Eu ajudei a coordenar uma resposta para ela [carta], a agenda do Brasil tem se modificado muito. Ele tem se mostrado muito mais numa agenda pró-sustentabilidade. O mundo reconhece isso. A narrativa melhorou."


"Cada vez mais temos mais eventos climáticos. Tenho um gráfico que uso na minha apresentação que parece até exponencial, porque aumentou muito os números climáticos, e esses eventos têm causado diversos problemas nas cadeias produtivas, nos preços, energia, logística", afirma.


Campos Neto ressalta que o desafio do Brasil para os próximos anos é crescer de forma sustentável com disciplina fiscal e olhando o social.


"Não adianta crescer sem olhar o social, mas não adianta crescer de forma não sustentável fiscalmente, porque vai ter problemas na frente de custo de financiamento e, eventualmente, acaba tendo o crescimento abortado. O Brasil fez muitas reformas. Todas elas têm o poder cumulativo. Precisamos ter mais reformas olhando o crescimento, a produtividade", diz.


 


Fonte: Folha de S. Paulo

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
16 abr 2024

Previsibilidade e segurança jurídica: APROBIO destaca importância do PL Combustível do Futuro em audiência no Senado

+
SAIBA MAIS
16 abr 2024

Planeta bate novo recorde de calor e especialistas explicam preocupação

+
SAIBA MAIS
16 abr 2024

Aquecimento global vai parar na Justiça: crescem casos de litigância climática contra desmatadores

+
SAIBA MAIS
16 abr 2024

Deputado diz que Petrobras tenta “pegar carona” no Combustível do Futuro

+
SAIBA MAIS
15 abr 2024

Combustível do Futuro terá investimentos de R$ 200 bi, diz Alceu Moreira

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO