HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
PRETENDENTES
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
06 dez 2016 - 10:38
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Membros da OMC fazem progresso mas não alcançam consenso sobre meio ambiente

Dezoito membros da Organização Mundial do Comércio (OMC) fizeram progressos, mas não conseguiram superar as lacunas existentes para alcançar um consenso sobre um acordo de facilitação do comércio de produtos relacionados ao meio ambiente, segundo uma declaração da OMC publicada neste domingo (4). As informações são da agência chinesa Xinhua.

A OMC observou que houve conversas construtivas e avanços foram feitos durante a reunião ministerial sobre o Acordo de Mercadorias Ambientais (Environmental Goods Agreement -EGA), realizada neste final de semana (4 r 5) na sede da organização, em Genebra.

"Os participantes negociaram de boa fé e fizeram bons progressos em direção a um acordo e creio que o conhecimento e o entendimento adquiridos nessas discussões nos ajudarão a avançar num futuro próximo," disse o diretor-geral da OMC, o brasileiro Roberto Azevedo. Ele pediu aos "participantes que sejam flexíveis para concluir o acordo."

Azevedo salientou que "o sistema comercial deve ser capaz de dar uma contribuição positiva ao combate à degradação ambiental (...) baseado em recentes conquistas como o Acordo de Paris sobre as Alterações Climáticas e a Agenda 2030 da ONU para o Desenvolvimento Sustentável".

Como co-presidentes da reunião ministerial da EGA deste fim de semana, os Estados Unidos e a União Europeia disseram em comunicado que acreditam que um acordo ambiental de alto nível "irá melhorar o acesso global às tecnologias limpas, promover a proteção do meio ambiente e beneficiar os trabalhadores, as empresas e os consumidores."

Os 18 participantes, incluindo China, Estados Unidos, União Europeia, Japão e Coreia do Sul, representam a maior parte do comércio global de bens ambientais. Desde janeiro de 2014, eles negociam para reduzir direitos sobre produtos usados em uma variedade de funções relacionadas com o meio ambiente, incluindo: geração de energia limpa e renovável; melhoramento de energia e  eficiência dos recursos; redução da poluição do ar, da água e do solo; gestão de resíduos sólidos e perigosos; redução dos ruídos; e monitoramento da qualidade ambiental.

Fonte: Agência Xinhua
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
19 mai 2022

Decreto cria mercado regulador de crédito de carbono no Brasil

+
SAIBA MAIS
19 mai 2022

ONU lança plano para impulsionar uso de energias renováveis

+
SAIBA MAIS
19 mai 2022

Por que engolimos o que a indústria petroleira e os ambientalistas nos dizem?

+
SAIBA MAIS
18 mai 2022

O biodiesel pode ajudar a combater as desigualdades de saúde em comunidades carentes de Justiça Ambiental

+
SAIBA MAIS
18 mai 2022

Dez países que estão recuando nas políticas para biocombustíveis

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO