HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
PRETENDENTES
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
CONTATO
NOTÍCIA
15 ago 2019 - 09:48
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Emissão de gases causadores do efeito estufa é recorde em 2018

Relatório da Sociedade Americana de Meteorologia em parceria com a Agência Climática do governo americano também mostra que foi recorde o derretimento das geleiras



A emissão de gases causadores do efeito estufa na atmosfera atingiu um recorde histórico em 2018. A conclusão está num estudo divulgado pela Sociedade Americana de Meteorologia em parceria com a Agência Climática do Governo Americano.






Está no relatório e você viu: as chuvas transformaram o Rio de Janeiro num caos. Em Belo Horizonte choveu em 20 minutos o que deveria chover em um mês. Quando o JN fez uma reportagem no interior do Ceará em 2015, o que todo mundo achava era o seguinte: "" coisa mais difícil que eu já vivi na vida foi essa seca, que estamos nela".





Mas o relatório mostra que, desde então, o solo por lá só ficou mais seco. Pode parecer história velha: que sempre choveu no Rio e teve seca no Nordeste. Mas o grande retrato das mudanças climáticas são exatamente esses extremos.





O relatório foi feito a partir de estudos de 475 cientistas em 57 países, incluindo o Brasil. Derek Arndt é chefe de Monitoramento Global do Clima da Agência Climática Americana, e um dos autores. Ele explica que esses fenômenos registrados no Brasil estão ocorrendo no mundo todo.





É porque, com o aquecimento da Terra, a água evapora mais rápido e causa seca e chuva extremos. Os cientistas estão certos de que isso acontece porque a gente nunca lançou tantos gases causadores do efeito estufa na atmosfera.








Por causa, principalmente, da emissão de três gases principais: dióxido de carbono, que vem principalmente da queima de combustíveis fósseis; metano, que vem principalmente da agricultura e da extração de petróleo e gás natural; e óxido nitroso, que fica mais de 100 anos na atmosfera, e os cientistas atribuem ao uso de fertilizantes à base de nitrogênio.





O relatório mostra que 2018 foi o ano recorde de emissão desses gases e a capacidade de eles piorarem o aquecimento global aumentou em 43% desde 1990. Os Estados Unidos são o segundo país que mais contribui para isso, atrás da China. Hoje, 22 estados americanos e sete cidades processaram o governo de Donald Trump por agravar problema.





O governo de Barack Obama impôs taxas à emissão de gás carbônico para produção de energia, o que prejudicou principalmente as usinas de carvão, que poluem muito. O presidente Trump reverteu essa decisão.





O professor Richard Revesz, da Universidade de Nova York, disse que o governo agiu ilegalmente ao tentar derrubar a ação do governo de Obama, que já nem era suficiente para resolver o problema.





Enquanto isso, o relatório também mostra que foi recorde o derretimento das geleiras. E recorde também no aumento do nível dos oceanos. Cidades ricas como Vancouver, no Canadá, já decretaram estado de emergência climática e fazem planos para remover a população no caso da água invadir a cidade.





Richard diz que quem vai sofrer mais são países pobres. O professor diz que já passou da hora de a gente mudar nossos hábitos de vida e que cidadãos precisam pressionar seus governos para que ajam com responsabilidade em relação ao nosso atual estado de emergência.


Fonte: G1




ÚLTIMAS NOTÍCIAS
09 jul 2020

Brasil retoma posto de maior produtor de soja do planeta

+
SAIBA MAIS
07 jul 2020

Seminário discutirá como RenovaBio pode reverter aquecimento global

+
SAIBA MAIS
06 jul 2020

Soja: Brasil pode colher até 166 milhões de toneladas em 2028/2029, diz Fiesp

+
SAIBA MAIS
03 jul 2020

Balanço de maio e junho reforça compromissos de produção e entrega do setor de biodiesel

+
SAIBA MAIS
03 jul 2020

Em live, Bento Albuquerque afirma que Brasil está pronto para a retomada

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-911 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO