HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
PRETENDENTES
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
VÍDEOS
CONHECA O BIODIESEL
CONTATO
NOTÍCIA
05 jan 2017 - 08:52
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Do Brasil para a mesa do mundo

Setor do agronegócio, com um Produto Interno Bruto previsto em R$ 1,42 trilhão para 2016, sustenta a economia do País e não vai parar de crescer


Até o mês de outubro, o agronegócio brasileiro havia exportado o equivalente a US$ 73,1 bilhões em produtos agrícolas. Soja, carne bovina, suína e de aves, café, açúcar, frutas, sucos, pescados e tantos outros alimentos fizeram parte da mesa de consumidores de 215 países.

Além disso, nas exportações de 2016 também estão incluídos produtos florestais, fibras, couro, etanol, etc. Mercados como China, Estados Unidos e Europa foram os principais destinos. Mas a criação e a colheita em milhões de hectares de lavouras no interior brasileiro chegou também a países inusitados, distantes e desconhecidos, como Djibuti, Comores, Kiribati e Vanuatu.

Para Comores, uma ilha do continente africano, foi vendido US$ 1,6 milhão em carnes e café. Ao Kiribati, país da Oceania, o Brasil vendeu açúcar pela primeira vez. Em volume, de acordo com dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/Esalq/USP), as exportações do agronegócio se mantiveram em patamares recordes na maior parte do tempo, acima de 10% comparado a 2015.

No ano passado, as exportações renderam ao País US$ 88,2 bilhões. É um feito espetacular, em tempos de economia desaquecida, e sinaliza que a demanda por alimento não está abalada. O setor vem mantendo parte da economia em alta, como tem feito na última década e ainda mais recentemente neste período de turbulência política pelo qual o País atravessa.

A previsão para o Produto Interno Bruto do Agronegócio (PIB Agro), calculado pelo Cepea, é de R$ 1,42 trilhão neste ano, um crescimento acima de 3% ante 2015. No ano passado, a cifra ficou em R$ 1,38 trilhão, também acima de 2014, em 0,72%. Enquanto isso, no final no mês passado, o Banco Central estimava que o PIB do País pode encolher cerca de 3,5% em 2016.

Mesmo assim, o bom desempenho do agronegócio não dispensa o setor de se posicionar diante das gigantescas tarefas de que depende o Brasil para dar certo, como investir em infraestrutura logística, completar a estabilização econômica, readequar a carga tributária, reformar as instituições públicas, garantir educação de qualidade e ajudar a reduzir a pobreza e a desigualdade no País.

A Editora Três, através do anuário AS MELHORES DA DINHEIRO RURAL 2016, oferece uma referência para os líderes do agronegócio, empreendedores, executivos, banqueiros, representantes de entidades setoriais e ONGs, formuladores de políticas públicas e todos os profissionais ligados direta ou indiretamente ao mundo agro, ao mostrar práticas de gestão de empresas que servem de exemplo de que o Brasil pode, sim, dar certo.

 

15

Fonte: Dinheiro Rural
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
19 mai 2022

Decreto cria mercado regulador de crédito de carbono no Brasil

+
SAIBA MAIS
19 mai 2022

ONU lança plano para impulsionar uso de energias renováveis

+
SAIBA MAIS
19 mai 2022

Por que engolimos o que a indústria petroleira e os ambientalistas nos dizem?

+
SAIBA MAIS
18 mai 2022

O biodiesel pode ajudar a combater as desigualdades de saúde em comunidades carentes de Justiça Ambiental

+
SAIBA MAIS
18 mai 2022

Dez países que estão recuando nas políticas para biocombustíveis

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-001 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO