HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADOS
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
CONTATO
NOTÍCIA
07 fev 2020 - 08:25
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Desde os anos 1970, previsões para aquecimento global vêm acertando

Má notícia para os negacionistas do aquecimento global.


Apesar de terem recebido mais visibilidade nos últimos anos, as mudanças climáticas já são conhecidas há bastante tempo. Décadas de estudos vêm mostrando o aumento da temperatura global média como resultado de crescentes emissões de gases de efeito estufa, além das consequências desse aquecimento para nós e para o mundo. Os primeiros modelos que mostravam previsões completas (ou seja, que incluíam toda a atmosfera, oceanos e massas de terra do planeta) foram publicados há quase meio século, nos anos 1970. E, desde então, essas previsões vêm acertando, pelo menos em relação à temperatura. Foi o que constatou um novo estudo, feito por cientistas do MIT e da Universidade da Califórnia, que revisaram as projeções de 17 pesquisas realizadas nas últimas décadas. 


Modelos climáticos são equações que descrevem diversos processos relacionados ao clima – que, por sua vez, é um conjunto de padrões extremamente complexo. Para dar conta de tantas variáveis, os modelos climáticos são feitos usando supercomputadores:  máquinas potentes capazes de processar e equacionar enormes quantidades de informação. Além de servirem para testar hipóteses científicas, os modelos climáticos também fornecem valiosas previsões sobre mudanças no curto e médio prazo.


Mas prever o futuro não é nada fácil, especialmente quando se envolve várias variáveis – algumas das quais são, inerentemente, imprevisíveis. No caso do clima, por exemplo, o aquecimento do planeta é afetado por decisões humanas, como a de aumentar ou diminuir a emissão de gases de efeito estufa, por exemplo. Modelos climáticos não têm como saber como pensarão os humanos nas décadas seguintes, nem qual será o estado da industrialização e da economia, por exemplo, e por isso podem ter seus resultados penalizados por esses fatores. Uma previsão pode subestimar o aquecimento do planeta se não levar em conta que mais países se industrializarão nas décadas seguintes e passarão a emitir mais CO2, por exemplo.


Para contornar esse problema, os pesquisadores do novo estudo desenvolveram uma metodologia específica para avaliar a precisão de modelos climáticos sem considerar possíveis penalizações por fatores imprevisíveis. Usando essa estratégia, eles analisaram previsões da temperatura média da superfície terrestre publicadas entre 1970 e 2007 e as compararam com as medições de temperatura real feitas nos anos subsequentes às publicações dos modelos.


Dessa amostragem, dez previsões se mostraram condizentes com as observações seguintes mesmo antes da metodologia de correção ser aplicada.  Quando os pesquisadores descontaram os fatores imprevisíveis, o número de previsões que se mostraram certas subiu para 14.  Das três previsões que se mostraram equivocadas, duas previram um aquecimento do planeta maior do que o real e uma estimou um crescimento menor do que o observado de fato. O resultado surpreendeu especialmente em relação às previsões mais antigas – elas foram feitas com supercomputadores menos potentes e, por isso, poderiam ter taxas de erro mais altas.


Apesar da taxa de acerto relativamente alta, criar modelos climáticos ainda permanece um desafio. Isso porque prever a temperatura do planeta não é tudo: é preciso entender como isso afetará o aumento do nível dos oceanos; a acidificação de suas águas; a incidência de eventos climáticos extremos pelo mundo; e as diferenças regionais que as mudanças trarão, entre outros elementos.


Outro resultado importante do estudo é que as decisões humanas foram (e continuam sendo) as variáveis mais imprevisíveis dos modelos – e, portanto, as mais decisivas. Isso reforça o que já sabemos: o futuro do clima da Terra está, pelo menos em parte, em nossas mãos.


Fonte: Super Interessante

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
21 fev 2020
USDA ANUNCIA META DE 30% DE BIOCOMBUSTÍVEL PARA 2050
+
SAIBA MAIS
20 fev 2020
Câmara aprova MP que altera regras do crédito rural
+
SAIBA MAIS
20 fev 2020
Faturamento do setor de biodiesel avançou 11% em 2019
+
SAIBA MAIS
17 fev 2020
APROBIO participa de reunião sobre mudanças no modelo de comercialização do biodiesel
+
SAIBA MAIS
14 fev 2020
Lançamento do Plano Decenal de Expansão de Energia - 2020/2029 -, pelo ministro de Minas e Energia, Bento Costa Lima Leite
+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-911 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO