HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
PRETENDENTES
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
CONTATO
NOTÍCIA
18 mar 2019 - 09:26
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Aumento de 3 a 5°C na temperatura do Ártico já é inevitável, diz estudo

Mesmo se em todo mundo as emissões de gases de efeito estufa forem cortadas de forma a cumprir o Acordo de Paris, a temperatura média no inverno Ártico vai, irremediavelmente, subir de 3 a 5°C até 2050, e de 5 a 9°C até 2080, alerta estudo divulgado pela Organização das Nações Unidas (ONU) na última quarta-feira (13), durante a 4ª Assembleia Geral do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), que acontece em Nairóbi, no Quênia.

A pesquisa, intitulada 'Global Linkages - A graphic look at the changing Artic' (Global Linkages - um olhar gráfico sobre a mudança no Ártico), afirma que tal aumento na temperatura tem o potencial de devastar a região e provocar a elevação no nível do mar em escala global.

Além disso, o rápido derretimento do permafrost - solo encontrado na região do Ártico constituído por terra, gelo e rochas permanentemente congelados - poderá acelerar ainda mais as mudanças no clima, inviabilizando os esforços para cumprir o objetivo de longo prazo do Acordo de Paris de limitar o aumento da temperatura a 2°C.

'A urgência em se alcançar as metas do Acordo de Paris é claramente manifestada no Ártico, por ser uma das regiões mais vulneráveis e que estão mudando rapidamente no mundo', disse o Ministro do Meio Ambiente, Energia e Habitação finlandês, Kimmo Tiilikainen, à ONU. 'Nós precisamos fazer cortes substanciais a curto prazo nos gases de efeito estufa, uso de carvão e outros poluentes climáticos de vida curta em todo mundo', acrescenta.

Mesmo se as emissões globais fossem interrompidas totalmente do dia para a noite, os invernos árticos ainda assim seriam de 4 a 5° mais quentes até 2100, comparado com o final do século 20, diz o estudo. Tal elevação está 'fechada' no sistema de gases de efeito estufa já emitidos e no aquecimento dos oceanos.

Segundo relatório da ONU, os impactos globais desse aumento seriam enormes. De 1979 até agora, estima-se que o gelo Ártico declinou em 40%. Modelos climáticos preveem que, se as emissões de CO2 continuarem na taxa atual, o Ártico terá verões totalmente sem gelo até 2030. O derretimento da calota de gelo da Groenlândia e dos glaciares árticos contribuem para um terço do aumento do nível do mar globalmente.

Ainda de acordo com a pesquisa, mesmo se as metas do Acordo de Paris forem alcançadas, espera-se que o permafrost ártico irremediavelmente encolha em 45%, comparado com o que hoje existe. Globalmente, estes solos congelados guardam uma estimativa de 1,672 bilhões de toneladas de carbono.

Espera-se, portanto, que o aumento no derretimento do permafrost contribua significantemente para as emissões de CO2 e metano, aumentando as temperaturas globais, que contribuiriam, por sua vez, para mais derretimento, em um efeito cascata conhecido como 'Feedback positivo'. 'Esta mudança acelerada no clima poderia até mesmo inviabilizar os 2°C preconizados no Acordo de Paris', sublinha o documento.

Fonte: O Eco
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
09 jul 2020

Brasil retoma posto de maior produtor de soja do planeta

+
SAIBA MAIS
07 jul 2020

Seminário discutirá como RenovaBio pode reverter aquecimento global

+
SAIBA MAIS
06 jul 2020

Soja: Brasil pode colher até 166 milhões de toneladas em 2028/2029, diz Fiesp

+
SAIBA MAIS
03 jul 2020

Balanço de maio e junho reforça compromissos de produção e entrega do setor de biodiesel

+
SAIBA MAIS
03 jul 2020

Em live, Bento Albuquerque afirma que Brasil está pronto para a retomada

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-911 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO