HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
PRETENDENTES
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
CONTATO
NOTÍCIA
29 nov 2018 - 10:46
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Aquecimento global pode ter impacto negativo na saúde, aponta relatório

Documento assinado por 27 entidades faz prognóstico de mais problemas cardiovasculares e renais.


'A saúde da população brasileira está ligada à floresta Amazônica', afirma um amplo relatório sobre o efeito das mudanças climáticas sobre a saúde humana. Problemas mentais, riscos cardiovasculares e doenças transmitidas por vetores podem ser agravados pelo que virá a ser o clima no futuro. 

As conclusões fazem parte do estudo Lancet Countdown: Tracking Progress on Health and Climate Change (em tradução livre, Acompanhando os Progressos em Saúde e Mudanças Climáticas), lançado anualmente desde 2016. 

O estudo recém-publicado conta com a participação de 27 instituições, da ONU e de agências governamentais de todos os continentes. 

O relatório -especificamente a parte que fala sobre o Brasil- afirma que, mesmo não levando em conta dados sobre desmatamento, o caso brasileiro merece menção para ilustrar as relações críticas entre mudança climática, destruição de florestas e saúde. 

As mudanças do uso da terra -desmatamento, em linhas gerais-, junto a agropecuária, eleva as emissões do país e, consequentemente, contribui para o aquecimento global. 

'Muitas vezes não relacionamos o quão grave é desmatar e quanto isso afeta a saúde das pessoas, quanto reduz a expectativa de vida', diz Mayara Floss, uma das pesquisadoras que escreveu o documento. 

No caso do Brasil, dados mostram que há relação entre o fogo na Amazônia, doenças respiratórias e o aumento de admissões em hospitais durante o período de queimadas.

'Para cada quilômetro quadrado de mata que derrubamos, há descobertas que deixamos de fazer', diz Floss, membro da Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, uma das organizações que participou do estudo -junto aos também brasileiros Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) e Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz). 

Em nível global, o estudo da Lancet afirma que as tendências apontam um 'risco  inaceitável' à saúde atual e futura da população.

Por exemplo, as ondas de calor estão entre os principais elementos que podem trazer problemas à saúde. Segundo a pesquisa, em 2017 (em comparação a 2000), 157 milhões de pessoas a mais foram atingidas de alguma forma. No Brasil, observa-se que essas ondas foram mais intensas nos anos de 2014 e 2015 e calcula-se que a Amazônia deve ser particularmente impactada pelas altas temperaturas no futuro. 

As regiões mais propensas às complicações de saúde, porém, são Europa e o Mediterrâneo oriental. Espera-se que haja aumento de problemas cardiovasculares e renais, por exemplo.

Uma das explicações para a susceptibilidade é a presença nessas áreas de populações com mais de 65 anos vivendo em áreas urbanas, o que aumenta os riscos. Crianças, mulheres grávidas e pessoas com diabetes e doenças respiratórias crônicas também são consideradas mais vulneráveis às ondas de calor.

Fora os problemas de saúde, a força de trabalho também será impactada. O relatório documenta que, em 2017, 153 bilhões de horas de trabalho foram perdidas por esse motivo. Quem mais sofre com isso no Brasil são os trabalhadores agrícolas.

Os efeitos das mudanças climáticas já podem ser vistas no presente em eventos como os incêndios que se alastraram pela costa oeste dos EUA e nas mortes recentes na Europa devido ao calor.

Para o Brasil e América Latina, além de inundações e secas, outra grande preocupação são doenças transmitidas por vetores -leia-se dengue, febre amarela, zika, chikungunya e outras arboviroses. 

De acordo com o relatório, em 2016, a capacidade de transmissão dos vetores da dengue (considerando que a distribuição de mosquitos transmissores é afetada por temperatura, chuvas e grau de urbanização) foi a maior já registrada na história. No Brasil, entre 1950 e 2010, a do Aedes aegypti aumentou 6% e a do Aedes albopictus, silvícola, em 11%.

O impacto das mudanças climáticas sobre a saúde mental também foi abordado. Dependendo da intensidade, frequência e duração de eventos extremos, pode-se ter um aumento no problema. O estudo afirma que há evidências de que ondas de calor podem fazer crescer o número de suicídios.

A pesquisa conclui que, mesmo já havendo preocupação em fóruns mundiais quanto ao tema, as adaptações para o novo panorama ainda são lentas e dispõem de menos recursos do que o desejável.

Fonte: Folha de S.Paulo
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
09 jul 2020

Brasil retoma posto de maior produtor de soja do planeta

+
SAIBA MAIS
07 jul 2020

Seminário discutirá como RenovaBio pode reverter aquecimento global

+
SAIBA MAIS
06 jul 2020

Soja: Brasil pode colher até 166 milhões de toneladas em 2028/2029, diz Fiesp

+
SAIBA MAIS
03 jul 2020

Balanço de maio e junho reforça compromissos de produção e entrega do setor de biodiesel

+
SAIBA MAIS
03 jul 2020

Em live, Bento Albuquerque afirma que Brasil está pronto para a retomada

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-911 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO