HOME
ASSOCIAÇÃO
QUEM SOMOS
ASSOCIADAS
PRETENDENTES
LEGISLAÇÃO
SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL
RENOVABIO
ESTUDOS TÉCNICOS
PNPB
LEGISLAÇÃO
MERCADO
SUSTENTABILIDADE
NOTÍCIAS
CONTATO
NOTÍCIA
09 jan 2019 - 10:51
COMPARTILHAR
Compartilhar - Linkedin
Compartilhar - Facebook
Compartilhar - Twitter

Aquecimento global dos oceanos equivale a 1,5 bomba atômica por segundo

Um estudo da Universidade de Oxford calculou a quantidade de calor absorvida pelo mar nos últimos 150 anos. É como se 1,5 bomba de Hiroshima explodisse a cada segundo

Você deve estar cansado de ouvir que o aquecimento global faz mal para o planeta. Faz mesmo - e a humanidade sabe disso faz tempo. O cientista sueco Svante Arrhenius (1859-1927) foi o primeiro a afirmar, em 1896, que a queima de combustíveis fósseis pelo homem pode ter sido o início do aquecimento global como o conhecemos. E mais de 90% de todo o calor retido devido às emissões de gases pela humanidade foi absorvido pelos mares - menos de 10% vai parar no resto, como o ar, o solo e as calotas de gelo.

Ou seja: o mar ajudou a conter o fenômeno. Mas isso também é um problema. A quantidade de energia adicionada aos oceanos faz com que eles subam, e furacões e tufões se tornem mais intensos - e  destrutivos. Mas quanto calor os oceanos já absorveram desde o início do aquecimento global? Foi isso que cientistas da Universidade de Oxford responderam em um novo estudo publicado no periódico Proceedings of National Academy of Sciences.

Combinando medições da temperatura da superfície dos oceanos desde 1871 com modelos computacionais que preveem a circulação oceânica, os pesquisadores calcularam que o mar absorveu 436 sextilhões de joules de energia de lá para cá. Número abstrato, certo? Então aqui vai uma metáfora simples e bombástica (com o perdão do trocadilho), feita originalmente por jornalistas do jornal inglês The Guardian: isso equivale ao calor liberado pela explosão de uma bomba atômica por segundo nos últimos 150 anos.

Mais impactante que a metáfora, porém, são as consequências. O aumento do nível do mar é considerado um dos mais perigosos impactos de longo prazo gerado pelas mudanças climáticas. Isso porque o mar pode 'engolir' diversas cidades costeiras, ameaçando bilhões de pessoas que vivem lá.

Outro fato levantado por eles é que os mares não se aquecem uniformemente, pois as correntes oceânicas transportam calor pelos quatro cantos do mundo. Calcular a quantidade de calor absorvida pelos oceanos nos últimos 150 anos fornece uma linha de base para estimar aumentos possíveis dos níveis do mar no futuro. A equipe descobriu que no Oceano Atlântico, por exemplo, a metade do aumento visto desde 1971, em latitudes baixas e médias, resultou do calor transportado para a região por essas correntes.

De acordo com os cientistas, hoje a situação é ainda mais grave, pois o aquecimento acelerou ao longo do tempo, à medida que as emissões de carbono aumentaram. Agora, o mar absorve o equivalente a três a seis bombas atômicas por segundo (dependendo da temperatura da região).

Fonte: SuperInteressante


ÚLTIMAS NOTÍCIAS
09 jul 2020

Brasil retoma posto de maior produtor de soja do planeta

+
SAIBA MAIS
07 jul 2020

Seminário discutirá como RenovaBio pode reverter aquecimento global

+
SAIBA MAIS
06 jul 2020

Soja: Brasil pode colher até 166 milhões de toneladas em 2028/2029, diz Fiesp

+
SAIBA MAIS
03 jul 2020

Balanço de maio e junho reforça compromissos de produção e entrega do setor de biodiesel

+
SAIBA MAIS
03 jul 2020

Em live, Bento Albuquerque afirma que Brasil está pronto para a retomada

+
SAIBA MAIS
TODAS AS NOTÍCIAS
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 – cj. 91
Jardim Paulistano
01452-911 – São Paulo/SP
+55 11 3031-4721
APROBIO