19 de agosto de 2019

Compartilhar , , Google Plus , Pinterest ,

Imprimir

Posted in:

Trem Intercidades pode ser movido a biodiesel

Tecnologia com uso de combustível renovável é alternativa à eletrificação, mais utilizada em sistemas na Europa

O secretário Alexandre Baldy, responsável pela pasta dos Transportes Metropolitanos, e o presidente da CPTM, Pedro Moro, postaram no Instagram uma experiência a bordo de um trem da ex-Brightline (atual Virgin), ferrovia da Flórida que utiliza biodiesel como combustível. Segundo eles, a tecnologia pode ser usada no Trem Intercidades (TIC), projeto iniciado por Geraldo Alckmin e assumido pelo atual governador João Doria como uma de suas prioridades no setor ferroviário.

A proposta é mais um aspecto em que o projeto original do trem regional se distancia da solução buscada pela atual gestão. Quando começou os estudos para implantar o TIC, o governo do estado pretendia criar uma rede de trens de média velocidade com vias praticamente próprias e eletrificadas. Novas estações seriam construídas como terminal desses serviços como Água Branca e Parque da Mooca no conceito de “Gare”, como na Europa. No entanto, o alto custo desse projeto fez a gestão Alckmin desistir dele e buscar uma alternativa híbrida em que se usasse mais partes da infraestrutura atual, que é compartilhada com a CPTM e as concessionárias de carga.

Já no governo Doria, o projeto tem sido tocado às pressas e com isso deverá utilizar apenas as vias existentes atualmente. A novidade é que, caso opte pelas locomotivas a biodiesel, o governo deixará de investir na eletrificação de vários trechos como o que vai de Jundiaí a Campinas e Americana, que hoje não têm trens de passageiros. Segundo Pedro Moro, a economia com a essa opção é de mais de R$ 1 bilhão.

Pouco poluente

A adoção de locomotivas a diesel é mais comum nos EUA enquanto Europa e Ásia têm uma infraestrutura voltada para vias eletrificadas sobretudo pela questão ecológica. Mas o advento do biodiesel, extraído de óleos vegetais, tem impulsionado a conversão de ferrovias a diesel para o consumo desse tipo de combustível. Embora se fale que não é poluente, como fez questão de afirmar Baldy em seu vídeo, o biodiesel emite sim substâncias nocivas, mas em quantidades muito baixas se comparado aos combustíveis fósseis.

Pedro Moro e Alexandre Baldy testam o trem americano: espera-se que ideia seja positiva para os usuários (Reprodução)

Seu rendimento é pior que o diesel e a manutenção é considerada um pouco mais complexa além de existirem problemas de funcionamento em temperaturas baixas, segundo entidades internacionais do setor de energia. Mas eles não tiram o mérito ecológico do combustível que tem sido usado por algumas empresas como a Virgin Trains, na Inglaterra.

Aliás, a Virgin adquiriu os direitos de imagem da ferrovia Brightline, única empresa privada a levar passageiros nos EUA. O serviço, que liga Miami a West Palm Beach com parada em Fort Laudardale, estreou em janeiro de 2018 e pretende chegar a Orlando em 2022. Ele utiliza locomotivas Siemens que levam 8.300 litros de biodiesel e movimentam quatro vagões de passageiros em duas classes. A viagem, que percorre cerca de 100 km, praticamente a mesma distância de São Paulo e Campinas, leva uma hora em velocidades que variam de 130 a 200 km/h.

Emobra não sejam barulhentos, os trens a diesel emitem mais ruídos que os movidos a eletricidade, como temos notado diariamente aqui em Londres. Com a preocupação ambiental europeia, esses trens que utilizam combustível fossil estão com os dias contados, mas não parece haver consenso sobre qual a melhor tecnologia a substituí-los.

Em São Paulo, a adoção de locomotivas a biodiesel não só parece tornar o projeto mais barato em tempos de orçamento curto. Ela também denota um prazo mais rápido para tirar do papel o Trem Intercidades, o que pode ser ótimo para a população, desde que feito da maneira correta e não apenas para ser inaugurado ainda nesse mandato.

Fonte: Metrô CPTM

Assine nossa newsletter e tenha acesso as principais notícias do setor


aprobio@aprobio.com.br
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 - Conj. 91 - Jd. Paulistano - 01452-911 - São Paulo - SP - Tel: 55 11 3031- 4721

Back to Top