24 de julho de 2019

Compartilhar , , Google Plus , Pinterest ,

Imprimir

Posted in:

Por que ainda duvidam da mudança climática?

Miami lançou projeto contra enchentes

4 morreram por alta temperatura na Índia

Quase por unanimidade, a comunidade científica confirma a veracidade da mudança climática. Eis os principais fatos. A média da temperatura global aumentou 0,9˚ C desde o século 19. O estudo da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA, na sigla em inglês) mostra que, nos últimos 100 anos, a temperatura da superfície do oceano aumentou 0,13˚C por década. Entre 1993 e 2016, as geleiras da Groenlândia e Antártica perderam em média, 286 e 127 bilhões de toneladas de gelo, respectivamente. Todo esse gelo derretido causou o aumento de 20,32 cm no nível do mar e consequentemente elevou o risco da ocorrência de furacões, ciclones e tsunamis.

Mesmo diante de tantas evidências atestadas pela ciência, tem muita gente que não acredita na mudança climática. Assim como em pleno século 21 existem os terraplanistas, pessoas que não acreditam em vacinas e aqueles que duvidam que o homem pousou na lua, duvidar da mudança climática é como viver em um universo paralelo.

Figuras predominantes na política como o presidente Donald Trump, e o secretário de estado americano, Mike Pompeo, são conhecidos por negar esse fenômeno. Em vídeo propagado no Twitter, o deputado Eduardo Bolsonaro insiste no velho discurso de que é preciso ver para acreditar. Ele aposta na ideia simplista de que se os invernos continuam frios e os verões quentes, portanto, não existiriam provas suficientes para acreditar no aquecimento global.

A verdade é que milhões de pessoas já sofrem as graves consequências dos seus efeitos da mudança do clima. E pouco importa se houve mais ou menos neve em um ano. A mudança climática trata da variação dos padrões do clima. É a desorganização de um sistema, com impactos diversos no planeta. Em Miami, o governo lançou um projeto de infraestrura que custou USD 400 milhões para prevenir enchentes devido ao aumento do nível do mar. No Oriente Médio, as secas estão cada vez mais dominantes, o que está levando ao desaparecimento de rios. No continente africano, fazendeiros estão sendo forçados a migrar devido à baixa produtividade das lavouras e o risco de enchente.

O argumento que atividades humanas não são responsáveis pelo aquecimento global também é bastante comum. Segundo uma pesquisa realizada este ano pela Universidade de Yale, 14% dos eleitores americanos não acreditam que atividades humanas causem o aquecimento global.

De acordo com a NASA, a emissão de CO2 na atmosfera registra elevação desde a Revolução Industrial e hoje atinge os níveis mais altos da história. Negar que o CO2 é um gás de efeito estufa (GEE) e que contribui para o aumento da temperatura na atmosfera é como acreditar que a terra é plana. Em uma tentativa de impor o conceito de plausible deniability, o cidadão que acredita nessa tese se livra da responsabilidade de mudar seus próprios hábitos. A mudança de hábito, afinal, exige novas atitudes e custa dinheiro, dois fatores que geram resistência.

Outro ponto utilizado pelos céticos da mudança climática é jogar para o futuro os danos causados pelo fenômeno. Basta observar vídeos de geleiras derretendo para perceber que a mudança climática está acontecendo agora. Nos últimos dias, as temperaturas chegaram a 48˚ C na Índia e quatro pessoas morreram dentro de um trem sem ar condicionado. Muitos estudos revelam que o custo benefício da prevenção é muito maior do que o custo para reparar os efeitos devastadores do aquecimento global. Vale a pena investir na prevenção.

Não acreditar na mudança climática é obscurantismo. Acreditar que a crise climática está no futuro distante é ignorância. Negar que as atividades humanas interferem no aquecimento global é se acomodar.  Os fatos são claros e as informações estão disponíveis. É preciso agir.

Fonte: Poder 360

Assine nossa newsletter e tenha acesso as principais notícias do setor


aprobio@aprobio.com.br
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 - Conj. 91 - Jd. Paulistano - 01452-911 - São Paulo - SP - Tel: 55 11 3031- 4721

Back to Top