18 de agosto de 2019

Compartilhar , , Google Plus , Pinterest ,

Imprimir

Posted in:

Matérias-primas desconhecidas voltam a superar sebo na produção de biodiesel

Durante o mês passado, as matérias-primas desconhecidas voltaram a tirar do sebo bovino a vice-liderança o mercado de matérias-primas para a produção de biodiesel. Essa é a segunda vez na história do setor que isso acontece. Os dados foram divulgados pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) na manhã desta quinta-feira (21).

A diferença foi pequena. Em janeiro, o sebo ficou com um pouco menos de 12,5% do mercado de biodiesel enquanto as desconhecidas registraram 12,6%. Da última vez em que as posições se inverteram havia sido em março de 2017 quando o placar ficou em 9,3% a 11.9%. Em abril, no entanto, a situação voltou ao normal.

As desconhecidas – uma mistura indeterminada de óleos e gorduras que aparecem nos boletins das ANP sob o nome ‘outros materiais graxos’ – só passaram a ganhar posição de destaque dentro do mercado a partir do segundo semestre de 2016. Antes disso, elas tinham peso apenas modesto para as usinas ficando abaixo da barreira de um ponto percentual em muitos meses. Desde então, elas se consolidaram na terceira posição do ranking.

Nos últimos cinco meses, as desconhecidas vêm sempre ficando acima da marca de 10% do mercado.

Recorde sem recorde

Apesar do recorde relativo, a produção de biodiesel a partir das matérias-primas desconhecidas em janeiro foi de 56,5 milhões abaixo dos volumes registrados em outubro e novembro de 2018 que foi de, respectivamente, 58 e 58,3 milhões de litros.

Isso porque os números preliminares sobre a produção de biodiesel em janeiro também apontam para baixo. O boletim de matérias-primas da ANP fala em 446,5 milhões de litros fabricados no mês passado, o pior resultado mensal desde maio do ano passado quando as usinas colocaram no mercado 384,1 milhões de litros do biocombustível.

Com a queda no volume produzido, a produção de biodiesel de sebo também recuou para 55,7 milhões de litros. Esse é o número mais baixo desde fevereiro de 2018 quando a produção a partir da gordura bovina beirou 48 milhões de litros.

Ouro fosco

Enquanto a disputa pela prata se acirra, a soja segue isolada no topo pódio. Só que com um pouco menos de brilho.

Em janeiro, o óleo fabricado a partir do grão mais produzido no país conquistou 66,8% do mercado de biodiesel. Isso representa uma queda de quase um ponto percentual em relação ao mês anterior e o menor percentual nos últimos 12 meses.

Consolidando os números de 2009 até agora, em janeiro a soja costumava ficar com uma fatia do mercado de biodiesel equivalente a 70,7%. Esse, no entanto, já é o terceiro ano seguido em que ela fica sempre abaixo da marca de 70% no primeiro mês do ano.

A produção de biodiesel a partir de óleo de soja foi de 298,4 milhões de litros. Esse é o menor volume desde maio passado. Em relação à janeiro de 2018, a produção cresceu um praticamente 34%.

Esse volume produzido fez com que a indústria de biodiesel absorvesse o óleo equivalente ao processamento de 1,43 milhão de toneladas do grão.

Essa foi a terceira queda seguida na quantidade de soja esmagada para o atendimento da demanda de biodiesel e, novamente, é o menor valor mensal desde maio passado.

Dendê

O óleo de palma – ou azeite dendê como é mais popularmente conhecido – também tem se destacado nesses últimos meses depois de muitos anos aparecendo apenas como uma fonte promissora, mas minoritária.

Em janeiro, a palma foi a quarta matéria-prima mais usada pelas indústrias com pouco menos de 3,2% do mercado – praticamente igualando o recorde que havia sido batido em dezembro.

A produção reportada foi de 14,1 milhões de litros de biodiesel de palma. Embora essa quantidade seja 7,1% menor que em dezembro, este foi o terceiro mês consecutivo em que essa matéria-prima se manteve acima de 10 milhões de litros fabricados.

Fonte: BiodieselBR

Assine nossa newsletter e tenha acesso as principais notícias do setor


aprobio@aprobio.com.br
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 - Conj. 91 - Jd. Paulistano - 01452-911 - São Paulo - SP - Tel: 55 11 3031- 4721

Back to Top