19 de agosto de 2019

Compartilhar , , Google Plus , Pinterest ,

Imprimir

Posted in:

Estudo mostra um aumento da temperatura do permafrost em escala global

O derretimento do permafrost provoca a liberação de dióxido de carbono e metano, com suas conseqüências, que aceleram o aquecimento global

Universitat de Barcelona*

Permafrost, o solo abaixo do ponto de congelamento da água 0 º por dois ou mais anos, é um elemento da criosfera que não tem sido tão estudado como outros solos como geleiras ou gelo marinho, embora desempenhe um papel importante na evolução do clima do planeta e em várias atividades humanas.

Agora, pela primeira vez, uma análise do estado do permafrost na Terra foi realizada graças à análise de dados de mais de 120 perfurações distribuídas ao redor do Ártico e da Antártida, bem como em montanhas e planícies altas em todo o mundo.

O estudo, intitulado “Permafrost is warming at a global scale“, foi publicado na revista Nature Communications e é liderado pelo pesquisador Boris Biskaborn, do Instituto Alfred Wegener de Pesquisa Polar e Marinha (Alemanha). Entre os colaboradores do estudo está Marc Oliva, coordenador do Grupo de Pesquisa Antártica, Ártico e Alpino de Ambientes (ANTALP), da Universidade de Barcelona.

Os dados analisados foram armazenados na Rede Global Terrestre para Permafrost, uma iniciativa internacional que promove a homogeneização da coleta de dados sobre o monitoramento do permafrost. Os dados obtidos de 2007 a 2016 mostram que as temperaturas do solo de permafrost contínuo aumentaram em 12,39 ± 12,15 ° C, enquanto o permafrost descontínuo aqueceu em 12,20 ± 12,10 ° C. Em altas montanhas, a temperatura permanente do solo congelado subiu 12,19 ± 12,05 ° C e os poucos buracos existentes na Antártida mostram um aumento de temperaturas da ordem de 12,37 ± 12,10 ° C. Estima-se que a temperatura do permafrost terrestre tenha aumentado em 12,29 ± 12,12 ° C.

A presença ou ausência de permafrost no solo condiciona os ecossistemas de muitas áreas localizadas em altas montanhas e latitudes. O derretimento do permafrost provoca a liberação de dióxido de carbono e metano, com suas conseqüências, que aceleram o aquecimento global.

Além disso, esse derretimento pode causar o colapso de construções. Deve-se ter em mente, por exemplo, que mais de 60% do território russo é colocado em áreas de permafrost, como uma parte da área terrestre no hemisfério norte. Portanto, este aumento de temperatura do solo congelado pode ter consequências sociais e econômicas em escala local e regional, perdendo equipamentos, danificando infra-estruturas, erodindo a costa, etc., além de outras implicações para o clima global.

O estudo [1] publicado na Nature Communications está ligado a outro estudo [2] liderado pelo pesquisador Marc Oliva, que mostra que, devido ao aumento do calor nas últimas décadas, o permafrost é mantido apenas nas áreas montanhosas mais altas da bacia do Mediterrâneo, como algumas áreas Pirineus, Alpes do Sul, os Apeninos e as montanhas da Anatólia, além de algumas áreas isoladas nos Picos de Europa, Sierra Nevada, montanhas do Atlas e os Balcãs. Na Catalunha, existe apenas o permafrost nas montanhas de Besiberri, e todas as áreas mostram sinais de degradação, o que faz com que ele desapareça nas próximas décadas.

Este estudo foi publicado na revista Earth-Science Reviewse reúne vinte especialistas de diferentes áreas da área do Mediterrâneo. Pela primeira vez, as condições do permafrost nas áreas montanhosas do sul da Europa nos últimos 20.000 anos foram reconstruídas.

O estudo analisa a evolução do permafrost desde a última glaciação até à data atual, numa área geográfica que vai desde a Península Ibérica até à Anatólia, incluindo o norte de África e as ilhas do Mediterrâneo. Sua conclusão afirma que, desde a última glaciação, as áreas ocupadas pelo permafrost nas montanhas do Mediterrâneo diminuíram gradualmente e apenas algumas montanhas recuperaram o permafrost durante as fases mais frias, como a Pequena Era do Gelo (1300-1800 AC). Desde então, o aquecimento global fez com que o permafrost fosse encontrado apenas nas áreas mais altas das montanhas do Mediterrâneo.

Nos próximos anos, os membros do grupo de pesquisa da ANTALP trabalharão no estudo dos processos a frio nos Pireneus catalães, onde permanece o permafrost, embora sua distribuição e expansão ainda não sejam amplamente conhecidas.

 

Cierva Cove, na Península Antártica
Cierva Cove, na Península Antártica. Foto: Marc Oliva

Fonte: Eco Debate

Assine nossa newsletter e tenha acesso as principais notícias do setor


aprobio@aprobio.com.br
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 - Conj. 91 - Jd. Paulistano - 01452-911 - São Paulo - SP - Tel: 55 11 3031- 4721

Back to Top