Audiência Pública discute Projeto que proíbe a circulação de veículos movidos a diesel

A fumaça de caminhões e ônibus movidos a diesel é um dos principais poluentes do ar em São Paulo. O projeto de lei em tramitação na câmara proíbe a circulação de veículos de passageiros movidos a diesel no município, a partir de 2023. Os veículos pesados que também dependem desse combustível serão proibidos de circular a partir de 2025. O representante da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo acredita que o projeto precisa de aprimoramento.

Antonio Ventilii, Assessor Técnico, esteve presente representando a Aprobio e compartilhando informações relevantes sobre os benefícios da utilização de um maior volume de biodiesel na mistura ao combustível fóssil.

Confira aqui a reportagem da TV Câmara.

Fonte: Câmara de Vereadores de SP com adaptações Aprobio

Roma vai banir carros a diesel do centro histórico em 2024

A medida visa reduzir a poluição atmosférica causada pela queima desse combustível

São Paulo – Seguindo uma tendência crescente na Europa, a prefeitura de Roma decidiu banir o trânsito de carros a diesel no centro da cidade. A medida visa reduzir a poluição atmosférica causada pela queima desse combustível.

Há anos, a região sofre com picos de má qualidade do ar, que  prejudicam a saúde da população e as centenas de monumentos históricos que adornam a cidade. O anúncio foi feito nesta semana pela prefeita Virginia Raggi, e publicado em sua página no Facebook.

Cerca de dois terços dos 1,8 milhão de carros novos vendidos na Itália no ano passado eram movidos a diesel. Segundo a prefeita de Roma, “se queremos intervir seriamente, temos que ter a coragem de adotar medidas fortes”.

O anúncio romano vem na esteira da decisão da justiça da Alemanha de delegar a cada cidade a decisão de proibir a circulação de veículos poluentes. Assim como em outros lugares da Europa, várias cidades alemães sofrem com a poluição do ar.

Em dias em que os níveis de poluentes superam limites considerados seguros, as autoridades costumam reduzir os preços dos transportes públicos a fim de estimular a população a deixar o carro em casa.

Outros países estudam medidas mais duras para combater a poluição. Reino Unido e França, por exemplo, resolveram que proibirão a venda de carros a diesel e a gasolina a partir de 2040.

Clique aqui para assistir a reportagem.

Fonte: Exame.com

Davos: Participantes podem eliminar emissões de três milhões de toneladas de CO2

Entre os maiores destaques deste estudo, percebe-se que as 1.808 organizações presentes no Encontro Anual do Fórum Econômico Mundial em Davos-Klosters têm cerca de 813 mil veículos nas suas frotas emitindo em conjunto aproximadamente 3,09 milhões de toneladas de CO2 por ano.

As instituições que vão estar presentes no Fórum Econômico Mundial de Davos, na Suíça, a partir de 24 de janeiro próximo, podem eliminar três milhões de toneladas de CO2 (dióxido de carbono) apenas adequando suas frotas para automóveis de baixas emissões.

Esta é uma das principais conclusões do primeiro ‘Sustainable Fleet Benchmark’, de periodicidade anual, publicado ontem (17) pela LeasePlan Corporation N.V., líder mundial em gestão de frotas e soluções de mobilidade.

“O novo ‘benchmark’ também sublinha a contribuição significativa que as frotas empresariais podem fazer na luta contra as alterações climáticas e destaca as organizações que já estão adequando suas frotas para sustentáveis”, adianta um comunicado da LeasePlan.

Entre os maiores destaques deste estudo, percebe-se que as 1.808 organizações que estarão presentes no encontro têm cerca de 813 mil veículos nas suas frotas emitindo em conjunto aproximadamente 3,09 milhões de toneladas de CO2 por ano.

“As frotas estão sendo gradualmente adaptadas para propulsões alternativas, principalmente veículos elétricos de bateria e híbridos ‘plug-in’, à medida que a consciência ambiental aumenta. A proporção de veículos com propulsões alternativas nas frotas empresariais passou de 3,3% em 2015 para 4,3% em 2017”, explica o referido comunicado.

A LeasePlan acrescenta que “é necessário uma ação contínua, uma vez que as emissões médias de CO2 aumentaram ligeiramente em 2017 pela primeira vez desde 2012″, devendo-se isso ao aumento da comercialização de veículos a gasolina, bem como ao primeiro aumento da quilometragem média desde 2013.

O ‘benchmark’ da LeasePlan identifica três perfis para frotas sustentáveis: pioneiro, transformador e líder. O setor tecnológico contém o maior número de empresas com um perfil líder, entre as quais se incluem a Baidu, o Grupo EDF, o Grupo IKEA e o Royal Haskoning DHV.

“As empresas presentes em Davos poderiam eliminar três milhões de toneladas de CO2 simplesmente optando por uma frota de baixas emissões – e isso é apenas o começo. O ‘Sustainable Fleet Benchmark’ da LeasePlan mostra como todas as frotas empresariais podem fazer a diferença na luta contra as alterações climáticas”, destaca Tex Gunning, CEO da LeasePlan.

As alterações climáticas e o modo de as prevenir é um dos principais tópicos da reunião do Fórum Económico Mundial deste ano em Davos.

“Cerca de metade dos carros na estrada pertencem hoje às empresas e a transição para frotas mais ‘amigas do ambiente’ apresenta-se como uma das melhores formas de reduzir as emissões globais. As frotas empresariais devem fazer parte desta discussão. É simples como uma decisão da liderança que diga ‘vamos fazer a mudança’, e isso pode acontecer hoje, nos ajudará a mudar panoramas futuros. A LeasePlan está empenhada em apoiar qualquer organização que deseje contribuir positivamente para este desafio histórico”, defende o comunicado da empresa.

As conclusões deste estudo são baseadas numa análise do banco de dados da LeasePlan de mais de 500 mil veículos em 32 países, a operar em setores que vão desde os cuidados de saúde até à tecnologia.

De acordo com a LeasePlan, o transporte rodoviário representa cerca de 20% das emissões totais de dióxido de carbono da UE (CO2).

A 48ª Reunião Anual do Fórum Econômico Mundial ocorre em Davos-Klosters de 23 a 26 de janeiro.

Fonte: Jornal Econômico

 

Senador quer Brasil sem carro a gasolina, diesel e até etanol em 2040

Reino Unido (2040), França (2040), Alemanha (2030), Índia (2030), Noruega (2025), Suécia (2019). Estes são alguns países que já definiram datas para banir automóveis com motor a combustão das linhas de produção e das ruas de seus principais centros urbanos — medida que já faz grandes grupos automotivos se movimentarem em busca de alternativas, como dar exclusividade ao desenvolvimento de híbridos plug-in, elétricos e modelos a célula de energia. Mas e o Brasil?

Apesar do nosso país sequer ter conseguido estabelecer, até hoje, uma política que incentive o uso de automóveis mais eficientes e menos poluentes, já existe proposta no Senado para que motores a diesel e a gasolina também sejam proibidos por aqui. E no mesmo prazo das grandes nações: de 2030 a 2040.

Continue lendo aqui.

Fonte: UOL Carros

China prepara cronograma para suspender venda de veículos movidos a combustível fóssil

A China vai definir um prazo para suspender as vendas e a produção de veículos que usem combustíveis fósseis, um movimento para forçar as companhias a acelerarem esforços para o desenvolvimento de veículos elétricos para o maior mercado automobilístico do mundo.

O vice-ministro de indústria e informação tecnológica da China, Xin Guobin, disse que o governo está trabalhando em um cronograma para acabar com a produção e venda dos veículos movidos a combustível fóssil. Ao participar de uma conferência do setor em Tianjin, na China, ele afirmou que o movimento terá um impacto profundo no meio ambiente e no crescimento da indústria automobilística chinesa.

A proibição desses veículos vai ajudar a impulsionar as montadoras locais e global em direção aos veículos elétricos, uma estratégia que poderia fazer disparar a venda de carros e caminhões com eficiência energética e reduzir a poluição do ar, ao mesmo tempo em que reduz a importação de petróleo.

Clique aqui para continuar lendo.

Fonte: Revista Época Negócios

 

Projeto de lei quer fim de carros a gasolina e diesel no Brasil

Mudança na legislação pode banir a venda de movidos a combustíveis fósseis a partir de 2030

Se depender do projeto de lei do senado (PLS) 304/2017, do senador Ciro Nogueira (PP-PI), o Brasil será mais um integrante do clube de países que vão banir carros com motores a combustão, como AlemanhaFrança e Reino Unido.

Mas não completamente: a mudança na legislação prevê que modelos movidos a biocombustíveis, como etanol, ainda tenham autorização para circular no Brasil.

De acordo com o PLS, a partir de 2030 seria proibida a comercialização de automóveis movidos a combustíveis fósseis, com gasolina, diesel e GNV. Dez anos depois, toda a frota circulante, à exceção de veículos de coleção, oficiais ou diplomáticos, deverão usar etanol, biodiesel ou eletricidade como combustível.

Um detalhe da lei é que, apesar de prever o uso de veículos elétricos, ela ignora as versões híbridas. Em uma análise literal, o Prius só poderia continuar a ser vendido no Brasil caso seu motor a combustão fosse adaptado para usar apenas etanol.

Continue lendo aqui.

Fonte: Revista Quatro Rodas

Carros a diesel serão banidos de 11 cidades da Europa

Já são 11 as cidades europeias que anunciaram que vão proibir os veículos a diesel nos próximos 10 anos. Outras cidades também já têm ou vão ter restrições à circulação de carros poluentes.

Vários países anunciaram que vão impedir a entrada de veículos movidos ao derivado de petróleo até 2025. França, Alemanha, Espanha, Reino Unido e Bélgica estão entre os principais a proibir a circulação de carros a diesel. “Os motores de combustão vão desaparecer muito antes do que se pensa”, afirmou Elzbieta Bienkowska, comissária europeia para a Indústria.

Na França a venda de veículos com motores de combustão será proibida a partir de 2040. A tendência é que os países vizinhos sigam na mesma direção, começando pelas principais cidades onde os níveis de poluição do ar são preocupantes.

A Alemanha e os maiores grupos do setor, entre os quais a Mercedes, VW, BMW ou Opel, concordaram em alterar o software de mais de cinco milhões de veículos para diminuir até 30% as emissões. Além de implementarem incentivos à troca de carro por veículos menos poluentes.

Caso a Espanha decida banir os carros a diesel das suas estradas, significaria que 1,4 milhões de automóveis em Portugal seriam impedidos de sair do país. Mais de um milhão de carros vendidos em Portugal, entre 2006 e 2014, não cumprem os limites impostos sobre as emissões poluentes, apurou o Diário de Notícias.

Para Carlos Barbosa, presidente do Automóvel Club de Portugal (ACP), “os carros a diesel não vão desaparecer tão cedo. Só os sonhadores pensam assim”, disse.

Com a introdução destas novas regras, as vendas de carros a diesel estão despencando por toda a Europa, com uma média de queda fixada nos 9,6%.

Fonte: Observador – portal de notícias português

Despoluir da CNT avalia mais de 155 mil veículos no primeiro semestre

Em época de discussão sobre os impactos negativos da poluição na natureza e na saúde humana, o setor de transportes e a indústria têm buscado formas para oferecer alternativas tecnológicas que dependam cada vez menos de combustíveis fósseis. São modelos de ônibus, carros e caminhões movidos à energia elétrica, biometano (gás advindo da decomposição do lixo) e biocombustível, muitos dos quais que têm se tornado mais numerosos em países como da Ásia, Europa e América do Norte.

No Brasil há avanços, entretanto, as mudanças da matriz energética dos transportes ainda não têm ocorrido na velocidade que se espera. O problema é urgente, como mostra um relatório da OMS – Organização Mundial da Saúde, da ONU, que estima que por ano, em média, o número de mortes relacionadas direta ou indiretamente à poluição é de 6,5 milhões.

Mas, enquanto não há no Brasil uma alteração mais significativa desta matriz energética, é possível colaborar para redução dos índices de poluição pelo transporte por meio de ações simples, mas eficientes, como o controle da qualidade da frota.

Clique aqui para continuar lendo.

Fonte: Blog do Transporte – Adamo Bazani

Paris começa a proibir circulação de carros produzidos antes de 1997

Medida visa reduzir a poluição na capital francesa.
Para motos, o limite é 1999.

Carros movidos a gasolina ou diesel e produzidos antes de 1º de janeiro de 1997 e motos feitas antes de 1º de junho de 1999 estão proibidos de transitar em Paris de segunda a sexta-feira, entre 8h e 20h a partir desta sexta-feira (1º).

A medida, que tem caráter experimental, se soma à proibição que entrou em vigor há um ano e que impede a circulação de ônibus e veículos pesados registrados antes de 1º de outubro de 2001.

Ambas as ações fazem parte do plano contra a poluição iniciada pela prefeita de Paris, Anne Hidalgo, que pretende erradicar até 2020 todos os veículos a diesel da cidade, assim como os movidos a gasolina que sejam muito poluentes.

“Para mim, a poluição causa problemas de saúde pública. E saúde pública não se negocia”, declarou Hidalgo recentemente em entrevista à emissora “BMFTV”.

A Prefeitura de Paris também prevê proibir, a partir de 1º de julho de 2017, o trânsito de veículos pesados na categoria Euro 3 (registrados antes de outubro de 2006) e os veículos particulares ou utilitários a diesel Euro 2 (anteriores a janeiro de 2001).

A série de medidas inclui, além disso, multas de 35 euros para os infratores e a implantação de um sistema de cores obrigatórias a partir de julho de 2015.

Serão instalados adesivos nos vidros dos carros para indicar o nível de poluição de cada veículo.

Para incentivar a renovação da frota parisiense – 750 mil veículos no total -, a Prefeitura oferece uma ajuda de 400 euros aos moradores que deixem de lado os carros considerados como mais poluidores – cerca de 50 mil, anteriores a 1997.

Paris é a primeira cidade francesa que implanta esse tipo de restrição, apesar do plano de Hidalgo fazer parte da iniciativa da ministra de Ecologia do país, Ségolène Royal, para melhorar a qualidade do ar.

Fonte: Auto Esporte

Alemanha quer proibir carros a combustão até 2030

São Paulo – A Europa está disposta mesmo a reduzir o índice de emissões de dióxido de carbono. Prova disso é o recente anúncio de que Paris (França) banirá de suas ruas carros com mais de 19 anos.

Agora, segundo a publicação Autocar, a Alemanha é outra a tomar medidas efetivas para reduzir as emissões produzidas pelos veículos automotores, pois quer proibir carros a combustão no país até 2030.

O precursor dessa iniciativa é o Vice-Ministro da Economia Rainer Baake, que disse que os carros novos terão de ser livre de emissões para o país atingir a meta de redução de gás carbono de pelo menos 80% até 2050. Ainda segundo Baake, não houve na Alemanha redução de emissões de CO2 na área de transportes desde 1990.

A quantidade de carros “verdes” na Alemanha ainda é relativamente baixa, apenas 130.000 híbridos e 25.000 elétricos, contra 14,5 milhões de veículos a diesel no país.

Casos como o do “dieselgate”, que revelou inconsistências em grande escala no aspecto de emissões, mostram que a poluição liberada por modelos diesel pode ser maior do que os números oficialmente estimados.

Para tentar reverter esse quadro, o governo alemão dará incentivo para compra de veículos elétricos através de subsídios. Com isso, o governo espera ter meio milhão de veículos livre de emissões até 2020, enquanto que, para 2030, é esperado que o número de elétricos e híbridos suba para 6 milhões no país.

Com as regras cada vez mais exigentes, as montadoras alemãs já estão se mexendo para atender as medidas impostas. Como exemplo há a BMW, com o elétrico i3 e o esportivo híbrido i8, sendo que a marca bávara está desenvolvendo uma versão totalmente elétrica do último.

Já a Mercedes-Benz anunciou um carro movido a hidrogênio com autonomia de até 498 quilômetros que será produzido no ano que vem. A Volkswagen, após o escândalo do “dieselgate”, passará a investir cada vez mais em veículos verdes e projeta vender entre dois e três milhões de carros 100% elétricos em 2025.

Fonte: Quatro Rodas

Assine nossa newsletter e tenha acesso as principais notícias do setor


aprobio@aprobio.com.br
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 - Conj. 91 - Jd. Paulistano - 01452-911 - São Paulo - SP - Tel: 55 11 3031- 4721