Países emergentes devem sofrer mais com os impactos das mudanças climáticas

 Fatih Birol, diretor executivo da Agência Internacional de Energia (IEA, sigla em inglês), acredita que países emergentes, como o Brasil, e demais nações devam investir em eficiência energética para evitar um desastre ainda maior

Os impactos causados pelas emissões de gases de efeito estufa no setor energético são cada vez mais evidentes e apontam para uma crise ambiental em escala planetária sem precedentes. Contudo, estima-se que o provável esgotamento das reservas mundiais de combustíveis fósseis permita que as energias renováveis ​​ganhem cada vez mais espaço no cenário mundial.

Diante disso, autoridades do mundo todo se reuniram na Alemanha, na 4ª edição do Berlin Energy Transition Dialogue, de 17 a 18/04, para debater as medidas necessárias para evitar os impactos mais severos das mudanças climáticas e atender as metas do Acordo Climático de Paris.

A solução é o real comprometimento das nações em investimento em tecnologias de baixo carbono, energias renováveis e eficiência energética. Em entrevista exclusiva ao Último Instante, o diretor executivo da Agência Internacional de Energia (IEA, sigla em inglês), Fatih Birol, falou do Brasil no cenário internacional de energias renováveis, da responsabilidade em ajudar a limitar a elevação da temperatura global e quais são os desafios que o mundo tem pela frente nessa jornada.

“O Brasil tem sido líder na produção biocombustíveis e isso inspira muitos países em diferentes partes do mundo como na Ásia ou na África”, ressaltou Birol.

Nomeado pela revista Forbes como uma das pessoas mais influentes na cena de energia do mundo e reconhecido pelo Financial Times como personalidade energética do ano em 2017, o executivo acredita que a matriz energética mundial é a grande responsável pelos impactos mais severos das alterações no clima e os efeitos serão sentidos com mais intensidade nos mercados emergentes, como o Brasil.

“Além das mudanças climáticas, a energia é responsável pela poluição do ar em muitos lugares, especialmente em países emergentes”.

Neste contexto, a mudança para uma matriz energética mais limpa representa um dos grandes desafios mundiais deste século. Confira os principais trechos da entrevista:

Como o senhor avalia a política energética brasileira?

O Brasil fez história na busca por novas tecnologias que substituem fontes de energia antigas e isso gerou uma grande mudança de paradigma. O país, que há muitos anos era um grande importador de petróleo, está se tornando um grande exportador. Isso aconteceu de duas maneiras diferentes. Número um: a produção de petróleo do Brasil em offshore [localizada em alto mar] aumentou. E dois, porque o Brasil utiliza muitas fontes renováveis, como biocombustíveis, hidrelétricas, entre outras, para reduzir o consumo interno de petróleo.

O Brasil é referência em energias renováveis. É líder em hidroeletricidade, mas desperdiça o favorável potencial solar disponível. Como solucionar isso?

Todos os países precisam ter um mix de energias renováveis. O Brasil é referência em hidrelétricas, biocombustíveis, mas o incremento de tecnologias como eólica e solar farão um perfeito sentido econômico no contexto energético brasileiro.

As mudanças climáticas já são sentidas em todo o mundo. Onde isso será mais evidente?

Além das mudanças climáticas, a energia é responsável pela poluição do ar em muitos lugares, especialmente em países emergentes. Esta é uma razão para milhões de mortes em países em desenvolvimento. Sabemos que hoje bilhões de pessoas não têm acesso à eletricidade em diferentes partes do mundo, especialmente na África e partes da Ásia.

E as economias emergentes estão fazendo o seu papel para evitar os efeitos mais trágicos das mudanças climáticas?

O Brasil tem sido o líder na produção/consumo de biocombustíveis e isso inspira muitos países em diferentes partes do mundo como na Ásia ou na África. Estamos muito felizes em ter o Brasil como membro da Agência Internacional de Energia (IEA) e trabalhamos em estreita colaboração com o governo. Estou impressionado com o que a China está fazendo em renováveis. O crescimento da capacidade de energia renovável na China nos próximos 20 anos deve ser maior do que na Europa, nos EUA e no Japão juntos.

Mas o uso de energias renováveis vem crescendo de maneira significativa a fim de frear as mudanças climáticas?

Felizmente as demandas globais de energia no ano passado aumentaram duas vezes mais do que no ano anterior. Isso foi impulsionado por um crescimento econômico global muito bom. Vemos também que, dois campos floresceram: energias renováveis, solar e eólica, mas ao mesmo tempo o consumo de gás natural também cresceu. O gás natural teve ano de ouro nos últimos dez anos, principalmente como resultado do uso crescente na Ásia. Por outro lado, o uso de carvão, após dois anos de declínio, começou a aumentar em 2017, principalmente no setor de energia. Olhando para este cenário, temos uma vitória e um desafio. Quando olhamos para a imagem da energia hoje, vemos, por um lado, um grande crescimento econômico, interconexão e eletrificação em todo o mundo, mas ao mesmo tempo dois terços das emissões que causam as mudanças climáticas.

O mundo está preparado para a transição de uma matriz energética descentralizada e mais limpa?

Acreditamos que a transição de energia limpa precisa contar com energias renováveis, ​​de eficiência energética e outras tecnologias limpas. As tecnologias e políticas de eficiência energética reduzem as emissões de CO2, reduzem a poluição do ar, trazem benefícios econômicos e segurança energética. Para atingir nossas metas climáticas, precisamos gerar trilhões de dólares em investimentos em eficiência energética. Carros, edifícios, motores nas indústrias, tudo girando de forma eficiente e assim por diante. Esse processo exige dinheiro adicional em relação às instalações convencionais. Se você colocar um dólar a mais para tornar o consumo de energia mais eficiente, você recebe de volta três dólares ao longo da vida útil deste carro, deste prédio, desta lâmpada.

Por que isso não funciona?

Pelo seguinte motivo: você põe um dólar hoje e obtém três dólares em vários anos. Cinco anos, seis anos. Esse é exatamente o papel dos governos. Hoje, por exemplo, dois de cada três prédios construídos no mundo não têm critérios de construção, estão sendo construídos agora e esses prédios estarão conosco por várias décadas.

E o que fazer diante disso?

Utilizar todos os meios, todas as tecnologias que possam nos ajudar a alcançar os objetivos climáticos. Em termos de emissões de dióxido de carbono, ano a ano as emissões globais de CO2 aumentaram, exceto em 2009, quando tivemos a crise financeira. Somente políticas de eficiência podem estabilizar nossas emissões de CO2. Apenas eficiência, esqueça todas as outras coisas.

Fonte: Último Instante

Relatório de CO2 da IEA – Renováveis ​​Atendem 25% do Crescimento da Demanda Global

IMAGE @ IEA

Dióxido de carbono (CO2)

As emissões globais de CO2 relacionadas à energia aumentaram 1,4% em 2017, atingindo uma alta histórica de 32,5 gigatoneladas (Gt), uma retomada do crescimento após três anos de emissões globais permanecendo estáveis. O aumento das emissões de CO2, no entanto, não foi universal. Enquanto a maioria das principais economias viu um aumento, algumas outras experimentaram declínios, incluindo os Estados Unidos, Reino Unido, México e Japão. A maior queda no declínio veio dos Estados Unidos, principalmente devido à maior implantação de renováveis.

Últimas tendências em renováveis

As renováveis ​​tiveram a maior taxa de crescimento de qualquer fonte de energia em 2017, atendendo a um quarto do crescimento da demanda global de energia no ano passado. A China e os Estados Unidos lideraram esse crescimento sem precedentes, contribuindo com cerca de 50% do aumento da geração de eletricidade baseada em renováveis, seguida pela União Européia, Índia e Japão. A energia eólica foi responsável por 36% do crescimento da produção de energia baseada em renováveis.

O setor de energia desempenhou o papel mais importante no crescimento da energia de baixo carbono, com a geração de eletricidade baseada em renováveis ​​crescendo 6,3% (380 TWh) em 2017. As energias renováveis ​​agora respondem por 25% da geração global de eletricidade.

A China e os Estados Unidos juntos representaram metade do aumento da geração de eletricidade baseada em renováveis, seguida pela União Européia (8%), Japão e Índia (com 6% de crescimento cada). O crescimento da energia eólica e solar fotovoltaica em 2017 foi sem precedentes; a energia eólica foi responsável pela maior parcela do crescimento total de renováveis, de 36%, seguida pela energia solar fotovoltaica (27%), hidrelétrica (22%) e bioenergia (12%).

A China respondeu por 40% do crescimento combinado de energia eólica e solar fotovoltaica, com novas adições recorde de capacidade e uma redução na taxa de contingenciamento. Quase 40% do aumento da energia hidrelétrica foi nos Estados Unidos, enquanto a União Européia reduziu a produção de hidrelétricas em quase um décimo. A União Européia, China e Japão responderam por 82% do crescimento global de bioenergia em energia.

A China ultrapassou os Estados Unidos para se tornar líder mundial em geração de eletricidade baseada em renováveis ​​não-hidrelétricas. A capacidade solar fotovoltaica global aproximou-se de 400 GW no final de 2017. Foi um ano extraordinário para a adição de energia solar fotovoltaica na China, com mais de 50 GW de nova capacidade, superando as adições de capacidade combinada de carvão, gás e energia nuclear e de 35 GW em 2016. A nova capacidade de energia solar fotovoltaica adicionada na China somente em 2017 é equivalente à capacidade total de energia solar fotovoltaica da França e da Alemanha juntas.

Nos Estados Unidos, 10 GW de energia solar fotovoltaica foram adicionados em 2017, uma queda de 30% em relação a 2016, mas ainda é o segundo ano mais alto já registrado. Na Índia, um recorde de 8 GW de capacidade solar fotovoltaica foi adicionado em 2017, o dobro das adições observadas em 2016. Na União Europeia a energia eólica registrou um ano recorde de 15,6 GW de capacidade, dos quais 3,1 GW foram offshore, também um recorde. Com o crescimento contínuo da energia eólica onshore, a capacidade eólica global (onshore e offshore) alcançou cerca de 510 GW.

Fora do setor de energia, apenas um aumento modesto da produção de biocombustíveis de 2% (50 kb / d) foi observado em 2017, ligeiramente inferior ao crescimento do ano anterior, refletindo uma tendência de queda de longo prazo no investimento em novas capacidades de produção. O aumento da produção de etanol nos Estados Unidos e na Europa foi parcialmente compensado pela menor produção no Brasil, enquanto a produção de biodiesel permaneceu praticamente estável.

A China, maior consumidor de calor do mundo, anunciou um plano de aquecimento limpo de cinco anos focado em cidades do norte em dezembro de 2017. Essa mudança na política pode reduzir significativamente o uso de carvão para aquecimento e substituí-lo por fontes mais limpas, incluindo renováveis ​​(biomassa, geotérmica e solar calor).

Embora as energias renováveis ​​tenham crescido rapidamente em 2017, o ritmo de implantação fica aquém do necessário para atingir as metas climáticas globais no Cenário de Desenvolvimento Sustentável da AIE  . A intensidade das emissões de carbono em 2017 melhorou em menos de um terço do que seria necessário para cumprir a transição global para as metas climáticas.

 

Fonte: IEA
completa Relatório IEA:  Relatório Global Energy & Status CO2 2017

Assine nossa newsletter e tenha acesso as principais notícias do setor


aprobio@aprobio.com.br
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1903 - Conj. 91 - Jd. Paulistano - 01452-911 - São Paulo - SP - Tel: 55 11 3031- 4721